A Contaminação Da Amargura

Felipe Miranda O. Morais Livros Deixe Seu Comentário

A Contaminação Da Amargura

 

Já ouviu alguém dizer frases do tipo “Eu te perdôo, mas da próxima vez…”?

 

“Então Pedro, aproximando-se dele, disse:

Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim,

e eu lhe perdoarei? Até sete?

Jesus lhe disse:

Não te digo que até sete;

mas, até setenta vezes sete.”

Mateus 18.21-22

 

Outra frase bastante comum é “Até que eu perdoei, mas todas as vezes que eu o(a) vejo…”

 

“Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus.

Que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação,

contaminando a muitos.”

Hebreus 12.15

 

O que seria essa tal raiz de amargura que o escritor aos Hebreus deixou tão saliente em seu texto?

Raiz de amargura é aquele ressentimento oculto, que muitas pessoas carregam e pensam estar livres dele. Deus não aceita um perdão falso! Lance para longe de você toda raiz de amargura, antes que ela venha a brotar e te perturbar. Quem tem raiz de amargura, vive uma vida amarga!

Além de você, se essa raiz brotar, ela irá perturbar e contaminar outras pessoas que estão ao seu redor. Já percebeu que quando alguém está ferido, ele faz questão de expor para todo mundo a sua ofensa?

Fica a pergunta: É possível alguém se excluir da graça de Deus? A resposta é: sim! Mas como? Deixando que alguma raiz de amargura brote em seu coração, causando perturbação e contaminando-o. Então, liberte-se. Pegue a Espada do Espírito e corte o mal pela raiz. [1]

 

“Cuidem que ninguém se exclua da graça de Deus. Que nenhuma raiz de amargura brote e cause perturbação, contaminando a muitos.”

Hebreus 12.15

 

Quem olha por cima do solo, não consegue enxergar as raízes que estão arraigadas na terra.  A terra simboliza o nosso coração e a raiz é a amargura, o ódio. Para remover as raízes, é necessário “ferir a terra” e isso dói, pois ferir a terra implica mexer onde não queremos. Dói mas é necessário, pois não há como não livrar-se das raízes se elas estão sugando a água que há no subsolo, isto é, nossas forças. Não adianta ficar “podando o tronco” do problema, tentando esconder a parte externa, por estar em evidência; esta atitude não irá resolver. Você pode até não perceber, mas o problema sempre estará lá, no fundo do coração, corroendo a sua alma, até que você arranque o mal pela raiz.  Perdoe! Viva! Seja livre! (João 8.32).

[1] Ref.: Efésios 6.17