O Dinheiro

Felipe Miranda O. Morais Livros Deixe Seu Comentário

O Dinheiro

A Bíblia condena fortemente o amor ao dinheiro ao contrário do que muitas igrejas pregam.

Muitos pastores têm manipulado as suas igrejas com teorias tendenciosas a respeito da prosperidade. Canalizam todo o significado da bênção de Deus em dinheiro.

Pregam, escrevem, ensinam muitas e muitas coisas sobre vários assuntos, diversas vezes, inúmeros temas, onde o foco é sempre o mesmo: o dinheiro.

O resultado final de suas mensagens é sempre dinheiro. Seus ministérios não têm outro objetivo a não ser conseguir moldar a mente das pessoas para serem extremamente voltadas ao dinheiro.

Toda a liturgia do culto não passa de simples encenação, teatro; apenas argumentações para que no momento das ofertas possam ter a liberdade e a cara de pau de explorarem a simplicidade do povo.

São verdadeiros profissionais da fé. Tratam as igrejas como empresas, onde há infinitas oportunidades de negócios. Querem templos luxuosos, etc. Falam muito em ofertas, dízimos, contribuições para a igreja em geral.

Mas nunca dizem que se você fizer algo por alguém, ofertar para um necessitado, compartilhar com quem não tem, ou até mesmo pagar as dívidas de um irmão, isso também é uma oferta ao Senhor.

Sabe por quê?

Porque se assim ensinarem, vão deixar de arrecadar uma boa fatia daquilo que pensam ser um meio de vida, um emprego, onde quanto mais competentes forem na arte da manipulação, mais prósperos serão.

No início, as suas mensagens não convencem a ninguém, sabem que estão pregando algo que não acreditam na realidade, mas com o passar do tempo, começam a aprender a arte de como amaciar o coração das pessoas através de palavras persuasivas e desafiadoras.

Conseguem alguns respaldos bíblicos, mesmo que sem contexto e como a maioria das pessoas nas igrejas não tem o zelo de conferir na Palavra de Deus, vão sendo influenciados por este tipo de gente a qual a bíblia se refere como lobos devoradores. Cauterizados, enganados por si próprios e pelas suas cobiças.

São homens que de tanto enganarem os outros, conseguiram enganar a si mesmos, e assim o fazem por que com o tempo, começaram a acreditar que estão realmente dentro da Verdade de Deus.

“… pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizado a sua própria consciência…” (1 Timóteo 4:1-5).

Cuidado

Precisamos aprender qual a verdadeira Vontade de Deus para as nossas vidas, pois há muitos falsos mestres ensinando as igrejas em todo o mundo.

Não precisa você pensar que esse tipo de gente está no banco da igreja, sentado, parado, inútil, como muitos estão. Eles são gananciosos, têm sede de poder, de destaque, querem estar na frente. Não só na frente da igreja local, querem influenciar pessoas em todos os lugares possíveis, nunca saciam sua sede.

Amados, a Bíblia nos ensina confiar em Deus, pois o dia de amanhã pertence somente a Ele. Apenas o Senhor sabe o que precisaremos, o quanto precisaremos e até de quê precisaremos. Por isso, não devemos nos preocupar com nossa vida, pois Ele tem nos sustentado, Ele é fiel em Sua Palavra.

Vejamos algumas referências bíblicas a respeito do assunto. Leia, confira, examine e observe o que diz a Palavra de Deus:

1.Salomão não pediu riquezas… (1 Reis 3:9).

2.O mendigo Lázaro era salvo, porém… (Lucas 16:20-23).

3.Jesus não tinha onde reclinar a cabeça: (Mateus 8:20).

4.Paulo viveu em constante pobreza: (Filipenses 4:11).

5.Por que Jesus pediu ao rico para desfazer-se dos bens? (Lucas 18:22).

6.Os que querem ficar ricos caem em tentações: (1 Timóteo 6:9).

7.Não podemos servir a Deus e às riquezas: (Lucas 16:13).

8.Igreja Apostólica não tinha membros que se diferenciassem entre si nas posses: (Atos 2:44-45).

9.A recomendação para os discípulos:  não  ter  2  túnicas… (Mateus 10:9-10).

10.A pobreza como honra “ao irmão de condição humilde”. (Tiago 1:9-10).

11.A oração que não é atendida: para gastar no luxo:(Tiago 4:3).

12.Na oração do Pai Nosso não há indicação de  pedirmos  além  do necessário. “de cada dia…” (Mateus 6:11).

13.A colheita de cem por um é de natureza espiritual! (Mateus 13:23).

14.A Bíblia exorta a procurar os melhores dons. (1 Coríntios  12:31),  a buscar a Deus e Seu Reino. (Isaías 55:2-6, Mateus 6:33), etc. Não há  passagem recomendando o acúmulo de bens (veja Provérbios 30:8-9, Salmos 62.10,  1 Timóteo 6:8).

15.O servo de Eliseu pegou lepra pela cobiça… (2 Reis 5:20-27).

16.Cobiça como pecado: (Lucas 12:15-21, 1 João 2:16).

17.“Não amar as coisas do mundo”, significa não desejá-las!   (1  João 2:15).

18.“Não ajunteis tesouro na terra…” (Mateus 6:19).

19.José e Maria eram humildes. Sua oferta de sacrifício no templo foi um par de rolas (Lucas 2:22-24), a mais simples oferta (veja  Levítico 12:6-8).

20.A fascinação da riqueza sufoca o  crescimento  espiritual (Marcos 4:19).

21.O amor às riquezas, raiz dos males (1 Timóteo 6:10).

22.Riqueza como serviço: (1 Timóteo 6:17-19).

23.Pedro e João não tinham oferta para dar ao paralítico: (Atos 3:6).

24.Transitoriedade e vaidade: (Provérbios 23.5, Eclesiastes 2:18, 5:10).

25.Pobres no mundo, mas ricos para Deus: (Tiago 2:5).

26.Moisés abandonou sua riqueza e “status” para servir a Deus  e ao Seu povo: (Hebreus 11:24-26).

27.Prosperidade como resultado da obediência, e não  dos  “direitos”: (Deuteronômio 7:12-13, 11:13-15, etc).

28.A cobiça levou o povo de Israel a desobedecer e ser  derrotado: (Josué 7:1-26).

29.Deus usou Gideão, da família mais pobre de Manassés, para  libertar Israel: (Juízes 6:15).

30.Jó, um justo, passou por um período de pobreza total: (Jó 1:9-12).

31.“Ganhar o mundo inteiro” ou “perder sua alma?” (Marcos 8:36). Veja também (Lucas 12:34).

32.Qual o objetivo do evangelho? Prosperidade ou  salvação? Veja (João 20:31).


“Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível, nós, porém, uma incorruptível”. (I Coríntios 9:24-25)